EDITOR CHEFE : Alexandre França
EDIÇÃO E FOTOS EXCLUSIVAS : André Reis
ILUSTRAÇÕES : Elizabeth Shimaru, Hélio de Lima
COLABORAÇÃO : Vânia Beatriz A. Vilela

segunda-feira, 23 de julho de 2012

"Pato de Pequim (Beijing)"

por Ewaldo Chiang.

"Por ser de família tradicional chinesa sempre tive oportunidade de ir a banquetes chineses. E quando falo em banquete, encare como uma orgia alimentar, são no mínimo 10 pratos entre entradas, pratos principais e "arremate" (expressão usada para designar os últimos pratos, caso o convidado não tenha se satisfeito com os oito primeiros).

Um dos pratos, pois são muitos, mais conhecidos que compõe estes banquetes é o Pato de Pequim.

Este nome vem desde a época dos grandes imperadores da China, pois era servido somente nos menus da realeza. Foi na Disnastia Ming que o Pato de Pequim foi amplamente divulgado e hoje se tornou um dos ícones da China Continental. Posso afirmar que todas a comitivas presidenciais, chefes de estado e pessoas importantes do mundo fizeram uma "boquinha" com esta iguaria no salão de jantar vermelho do governo chinês.

Os primeiros patos de Pequim foram criados em Nanjing, cidade a 1000 km de Beijing, que por ser a capital se tornou a grande produtora. Sua preparação leva mais de um dia. Após o abate o pato é inflado para que a pele e carne fiquem "desgrudados". Depois ele é mergulhado rapidamente em água fervente antes de ficar suspenso por 24 horas. Neste meio tempo ele é temperado para depois ser assado em um forno a lenha (método tradicional) até atingir uma coloração dourada e caramelizada.


Além de se deliciar com este prato, outro aspecto inusitado é a forma de servi-lo do chef, pois ele leva o pato até o cliente, exibe como se fosse um vinho de safra premiada, fatia a parte nobre (que é a pele), dispõe de forma milimétrica na travessa formando uma flor, fatia as carnes e "voilá".... 


Normalmente ele é servido com panquecas de farinha de trigo fininhas, cebolinhas em ramo e molho de soja adocicado. Faz-se um enroladinho da panqueca envolvendo a pele e a cebolinha, mergulhando-o no molho de soja.Tem algo melhor que comer com a mão?

Você deve estar perguntando: onde posso experimentar? 

Em São Paulo, é... sempre São Paulo, em duas casas, no China Lake (chinalake.com.br) que fica em Santo Amaro e no Campeão (R. da Glória, 118) que fica na Liberdade.


Mas se puder dar um pulo em Beijing (China) vá ao bicentenário Quanjude (quanjude.com.cn).


Na minha opinião o Pato de Pequim harmoniza melhor com um vinho branco, mas não há regras absolutas. O vinho da foto é um Dragon Seal Dry Red Wine."

6 comentários:

  1. Oi Ewaldo linda e deliciosa materia...deu agua na boca...hummmm....

    ResponderExcluir
  2. Olá Ewaldo!
    Esses pratos me deixaram com água na boca.
    Adoro as culturas chinesas.
    Deve ser uma delicia esses pratos e ainda
    não adianta ser umas delicia a comida se não
    tiver uma otima cara.

    Seguindo!

    __________________________________
    http://rodrigobandasoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo blog! Você manda muito bem ;)

    S.Rïver
    http://saimonrio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. O post, ficou muito bom e despertou minha curiosidade, além da minha fome. Sério, o prato me pareceu muito delicioso... tenho que experimentar!
    Parabéns pelo blog!

    Comente também:
    http://enricows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Ewaldo, muito boa a matéria deu pra viajar além de despertar o apetite. Beijos!!!
    Maria Amélia

    ResponderExcluir