EDITOR CHEFE : Alexandre França
EDIÇÃO E FOTOS EXCLUSIVAS : André Reis
ILUSTRAÇÕES : Elizabeth Shimaru, Hélio de Lima
COLABORAÇÃO : Vânia Beatriz A. Vilela

sexta-feira, 15 de junho de 2012

"Esgrafito: um pouco de arte no ambiente urbano"

por Rejane Paiva

As vezes estamos construindo uma casa, um cômodo a mais ou um simples muro e falta dinheiro para o acabamento. Deixamos pelo reboco ou pouco mais. Isso no entanto não quer dizer que tenhamos que conviver com  tudo numa má aparência, como se além da compreensível falta de grana, tivéssemos que lidar também com o injustificável mal-gosto. Quando trazemos a criatividade e a arte para o nosso dia a dia, tudo fica mais leve, e temos outra energia para encarar a vida.

Você já conhece a técnica do esgrafito? Ela foi muito comum na Itália no século XVI e no Brasil pouca gente lança mão de seus recursos, que cabem tranquilamente num orçamento pequeno, desde que se tenha uma boa dose de disposição para criar e depois se deliciar com seus grandes efeitos.


Nem é preciso grandes habilidades de desenho para fazê-lo.






Muito menos empregar a técnica em toda a área construída: basta usá-lo como um elemento decorativo, fazendo uma espécie de ligação entre a pintura de parede e a arquitetura ou edificação propriamente dita. O esgrafito pode ser usado para destacar uma esquina da casa, avivar uma janela, o alto de uma fachada, ou a beira do telhado.


Pode ser encontrado em casas humildes e também em verdadeiras mansardas eruditas já que a criatividade é algo democrático e ao alcance de todos.


Na Suíça, próximo à fronteira com a Itália, pode-se encontrar belos exemplos de aplicação desta técnica e foi lá na chamada região da Engadina, que estas imagens foram feitas.


Trazendo para a nossa realidade, que é o que nos interessa, o esgrafito pode ser trabalhado sobre o reboco ainda fresco. Basta caiar a casa, ou aplicar qualquer tinta base dessas para exteriores, com ou sem um bocado de pó xadrez e... raspar o reboco ainda úmido para criar desenhos. Há quem utilize moldes vazados para facilitar, estiletes, pregos ou outros objetos com ponta para traçar os ornamentos e aí só é preciso uma boa disposição para o trabalho. 



Vale criar uma grega em volta da porta, uma barra de flores circundando a janela, um poema de amor à cidade, o verso da sua canção favorita, enfim...tudo o que sua imaginação mandar!


Se fica bonito? Avalie você mesmo os resultados:


Depois de ver o detalhe, confira agora o resultado quando seu efeito decorativo é integrado na fachada:


Já imaginou o quanto poderíamos mudar a aparência tão desleixada de alguns cantos da cidade?



Agora que já falamos do esgrafito, que tal por mãos a obra e trazer um pouco de arte para o nosso espaço urbano? Não importa se é apenas mais um puxadinho, um muro ou um projeto de grande fôlego. Os olhos agradecem.








Nenhum comentário:

Postar um comentário