EDITOR CHEFE : Alexandre França
EDIÇÃO E FOTOS EXCLUSIVAS : André Reis
ILUSTRAÇÕES : Elizabeth Shimaru, Hélio de Lima
COLABORAÇÃO : Vânia Beatriz A. Vilela

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

"XILOGRAVURA"

por Alexandre França

Xilogravura significa gravura em madeira. É uma antiga técnica, de origem chinesa. Na xilogravura se utiliza uma placa madeira como matriz que possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. É um processo muito parecido com um carimbo.
 



É uma técnica em que se entalha na madeira, com ajuda de um instrumento cortante (goivas), a figura ou forma (matriz) que se pretende imprimir. Após este procedimento, usa-se um rolo de borracha embebida em tinta, tocando só as partes elevadas do entalhe. O final do processo é a impressão em alto relevo em papel ou pano especial, que fica impregnado com a tinta, revelando a figura.




Um detalhe importante é que o desenho sai ao contrário do que foi talhado, o que exige um maior trabalho do criador. A partir deste processo é possível fazer uma tiragem da imagem trabalhada, ou seja, uma quantidade de cópias dessa matriz.




Existem dois tipos de xilogravura: a xilogravura de fio e a xilografia de topo que se distinguem através da forma como se corta a árvore. Na xilogravura de fio (também conhecida como madeira à veia ou madeira deitada) a árvore é cortada no sentido do crescimento, longitudinal; na xilografia de topo (ou madeira em pé) a árvore é cortada no sentido transversal ao tronco.





A xilogravura é muito popular na região Nordeste do Brasil, onde estão os mais populares xilogravadores (ou xilógrafos) brasileiros. A xilogravura era frequentemente utilizada para ilustração de textos de literatura de cordel. Alguns cordelistas eram também xilogravadores, como por exemplo, o pernambucano J. Borges (José Francisco Borges).




Nomes importantes da gravura brasileira: Goeldi, Lasar Segal, Maria Bonomi, Renina Katz , entre outros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário