EDITOR CHEFE : Alexandre França
EDIÇÃO E FOTOS EXCLUSIVAS : André Reis
ILUSTRAÇÕES : Elizabeth Shimaru, Hélio de Lima
COLABORAÇÃO : Vânia Beatriz A. Vilela

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

"O MUNDO SURREAL DE FRANCISCO BRENNAND"

por Alexandre França

Um impressionante museu ao ar livre, impregnado de mistérios e simbologias, retrata a obra do ceramista e artista plástico pernambucano Francisco Brennand. São mais de duas mil peças.



Quem visita pela primeira vez a Oficina Francisco Brennand, na Várzea do Capibaribe, cidade do Recife, em Pernambuco, espanta-se com a ostentação do local, que mais parece um antigo templo; e estranha as formas inusitadas e nada convencionais que o escultor emprega em suas obras; mulheres disformes, objetos fálicos e figuras que remetem ao erotismo ou a seres mitológicos podem causar desconcerto ao olhar mais puritano.



No entanto, é justamente esta inquietação, traduzida em espanto ou admiração, que Brennand espera dos visitantes. “Já teve até uma senhora que chamou a oficina de Museu de Horrores, de carnificina. A opinião dela não me incomodou. Gosto de ouvir o que os visitantes têm a dizer sobre meu trabalho”, disse o escultor ao acompanhar um grupo em visita à sua oficina.



Povoada e silenciosa, plural e única. Assim é a Oficina Cerâmica Francisco Brennand. Um espaço que, ao mesmo tempo, é oficina e museu, onde, entre templos e jardins, o artista modela em barro símbolos e alegorias, colocados como painéis nas paredes ou como imagens em nichos.



Cercados por jardins encontram-se em exposição permanente murais painéis, esculturas; cerca de duas mil peças de grande e médio portes. A modelagem é primorosa e, geralmente, os trabalhos são decorados com cores intensas. A queima é realizada em forno de alta temperatura – 1.400° C, combustão a óleo, sempre com vitrificação. As massas usadas na confecção das peças são produzidas no próprio local com argilas de diversas procedências – Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.



Lá estão gravadas palavras de escritores e poetas que, como Brennand, buscaram a essência da cultura universal. “Não interrompam este silêncio, não interrompam este sonho”, aponta o escultor.



Estruturado sobre a tradição de uma família que produziu, durante gerações e gerações, a cerâmica e o que havia de melhor nela, nasceu o mundo de Francisco Brennand. Das ruínas da velha fábrica de telhas e tijolos que pertencia à família, Brennand criou, em 1971, o espaço que hoje é oficina, museu e importante pólo de aprendizagem do manuseio da cerâmica no Brasil.



Em dezembro de 2003, Brennand inaugurou o espaço “Accademia”. Trata-se de um pavilhão construído, especialmente, para expor desenhos, pinturas e peças cerâmicas de pequeno porte, tanto no solo quanto no mezanino. Na Accademia estão expostos mais de 200 trabalhos feitos ao longo de quase 60 anos e é onde o artista se revela um grande colorista, um cultivador do erotismo requintado e um desenhista e pintor de primeira.



Neste espaços estão centenas de quadros, pintados durante toda a sua vida – mesmo durante o tempo que sua prioridade foi a cerâmica. Os quadros, datados pelos menos desde a década de 40, apresentam temas variados, como em sua fase floral ou pintura de paisagens, animais, naturezas-mortas, personagens, circunstâncias e mulheres, muitas mulheres, nuas ou vestidas, mas, todas carregadas da aura insinuante ou erótica que fazem jus à marca registrada de Brennand.





Nenhum comentário:

Postar um comentário