EDITOR CHEFE : Alexandre França
EDIÇÃO E FOTOS EXCLUSIVAS : André Reis
ILUSTRAÇÕES : Elizabeth Shimaru, Hélio de Lima
COLABORAÇÃO : Vânia Beatriz A. Vilela

quarta-feira, 20 de março de 2013

"A Suíça no imaginário do brasileiro"

por Rejane Paiva - Suiça



No Brasil, a imagem da Suíça está tão fortemente associada aos relógios, às caixinhas de música, aos canivetes, aos bancos e aos irresistíveis chocolates, que nem nos damos conta de tantas outras criações suíças até mais comuns no dia a dia do brasileiro do que as clássicas já citadas. Isso deve-se ao fato de pouca gente conhecer as origens de alguns objetos simples, que parecem já estar aí desde sempre. Querem ver?

· O papel alumínio para embalar alimentos foi produzido pela primeira vez pela Alusuisse em 1924.




· Descascador de legumes e frutas - Um pequeno utensílio de cozinha que agiliza o trabalho com os alimentos e ainda evita desperdícios. Criado por Alfred Neweczerzal depois da Segunda Guerra Mundial. Sua empresa, a Zena AG, ainda hoje fabrica o descascador.


· A fonte tipográfica Helvetica foi criada por Max Midinger em 1956 e está muito presente na tipografia moderna.


· Max Bircher-Benner criou o famoso müsli (granola) por volta dos anos 1900 como uma alternativa saudável para o café da manhã.


O físico suíço Max Bircher-Benner em sua casa de campo em Braunwald nos anos 1920 e ao lado a sua criação.
(Arquivos Bircher-Benner, Universidade de Zurique).

· A versão moderna do mouse de computador e muitos outros acessórios informáticos foram criados pela Logitech, empresa suíça fundada por Jean-Daniel Nicoud e Daniel Borel em 1981 para desenvolver programas gráficos para computador.


· Georges de Mestral inventou a fita Velcro em 1948. A palavra é a junção de “veludo” e “gancho” em francês (velvet + crochet). Este tipo de fita autocolante foi criada a partir da observação da natureza e imita a forma que o picão adere às nossas roupas e ao pelo dos animais.


· Em 1923 Othmar Wionterhalter criou uma maneira industrial para a produção do zíper. Apesar de não ser o inventor desse tipo de fecho, foi ele quem encontrou a forma de viabilizar a sua produção. Suíço de St-Gallen, fez fortuna com a marca Riri, famosa pela sua alta qualidade.



A despeito de tantas outras invenções que marcaram nossas vidas como a máquina registradora, o motor a diesel e algumas até já em desuso como a máquina de escrever portátil, a Suíça está intimamente inserida no cotidiano dos brasileiros muito mais do que pensamos. Vocês já tinham se dado conta disso?

(As informações para esta postagem foram retiradas do portal Swissinfo e Wikipedia).




Nenhum comentário:

Postar um comentário